quarta-feira, 24 de maio de 2017

when will I see u again








Então, para que saibas, hoje escrevo sobre ti. Não. Nós não somos amigos. Nunca fomos. Nem nunca seremos. Mas todos os sábados consegues, com as tuas tentativas baratas, conquistar mais do que a minha amizade. Todas as noites de sábado dançamos. Como se fossemos namorados. Mas não somos. Nem nunca fomos. E é engraçado como é que os nossos corpos se encaixam tão bem, mesmo não se conhecendo. Todas as noites de sábado insistes para ir dormir lá a casa. Despes a camisa engelhada e deitaste no sofá. Deito-me ao teu lado e imploras para colocar a cabeça no teu ombro. E conversamos sobre a vida e as voltas que ela dá. Conversamos sobre o tempo. Sobre as músicas que ouvimos naquela noite. Sobre a tua ex que estava na discoteca e que não parava de olhar (e quero que saibas que vejo no teu olhar um carinho muito especial quando falas dela!). Conversamos sobre a minha independência. Sobre os teus pais. E os teus amigos. E de repente beijas-me.E ficamos assim, quase sem respirar mas a beijar-nos. E quem me dera ter a coragem de te dizer que é no teu beijo que eu encontro conforto. É a tua boca que encaixa na minha, como nenhuma outra antes foi capaz de o fazer. Antes de dormir perguntas-me se vou casar contigo e que para o ano dê por der queres vir viver comigo para Lisboa. Que vais cozinhar para mim e que só me vais pedir em troca uma coisa: beijinhos. Mas sabes meu amor, tenho pena que todas as palavras que proferes sejam fruto do álcool. Esse maldito que te faz apaixonar por mim todas as noites de sábado e desapaixonar nas manhãs domingo. 

5 comentários:

Ana Rita disse...

Um texto muito interessante e que faz pensar. É pena ser mesmo o efeito do álcool...
Beijinho, Ana Rita*

Andreia Morais disse...

Adorei o texto!

Messy Jessy disse...

Woow! Adorei, senti cada palavra.

pequenasvontades disse...

O texto está lindo, o conteúdo é que é tão triste...

➳ Nea ☽ disse...

Oh, o álcool... que pena ser assim!